01 jun 2017
THBR – United We Stand
O Tom Holland Brasil está lançando o projeto ‘THBR – United We Stand’, com o objetivo de integrarmos o fandom Hollander brasileiro à ação solidária....
30 mar 2017
Assista ao segundo trailer de ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’
Foi divulgado terça, 28, o segundo trailer de ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’. Confira abaixo as versões legendas e dubladas, além de mais de 280 capturas do trailer em nossa galeria:       SPIDER-MAN: HOMECOMING (2017) > SCREENCAPTURES >  TRAILER #2    ...
13 fev 2017
Tom Holland vence o BAFTA 2017; Saiba tudo o que rolou!
Aconteceu ontem, 12, no Royal Albert Hall, a 70ª edição da cerimônia de entrega da British Academy of Film and Television Arts – BAFTA, que é produzida pela própria academia britânica, para premiar os melhores atores, técnicos e filmes de 2016; Muitos consideram como o Oscar britânico....
09 dez 2016
Assista ao primeiro trailer de Homem-Aranha: De Volta Ao Lar!
Na madrugada de hoje, 9 de dezembro, foram lançados os primeiros trailers de Homem-Aranha: De Volta Ao Lar (Spider-Man:Homecoming) durante o programa do Jimmy Kimmel Live. ...
02 dez 2016
Saiba todas as novidades de ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’ da CCXP 2016!
A CCXP - Comic Con Experience 2016 começou ontem, quinta-feira 1 de dezembro, em São Paulo e apesar do primeiro dia não ser de maior interesse para nós que aguardamos novidades do novo filme do Homem-Aranha, Spider-Man: Homecoming, a Sony Pictures trouxe logo no primeiro dia quatro estandes de seus próximos filmes, incluindo Homecoming! ...
04.06.2017

Hoje, 4 de Junho, temos a presença confirmada de Tom Holland e Robert Downey Jr. no talk show Jimmy Kimmel Live. A participação foi gravada no último dia 31.

Confira fotos do Tom chegando e deixando a sede do programa em 31 de Maio.

A exibição ocorrerá às 7pm EST, que corresponde às 20h no horário de Brasília.

Você pode acompanhar o programa ao vivo através de stream:

Opção 1: tv4embed.com

Opção 2: Ao Vivo Agora

Opção 3: TV free

Opção 4: tgo-tv.com

P.S.: Caso o stream seja da Costa Oeste dos Estados Unidos, o programa irá ao ar após a exibição do jogo!

01.06.2017

O Tom Holland Brasil está lançando o projeto ‘THBR – United We Stand’*, com o objetivo de integrarmos o fandom Hollander brasileiro à ação solidária. Contamos com a sua ajuda! Clique aqui para acessar a página do Projeto.

*“United we stand, divided we fall” é uma frase clássica da cultura norte-americana e fez parte dos slogans de divulgação do filme ‘Capitão América: Guerra Civil’, no qual Tom Holland fez sua estreia como Peter Parker/Homem-Aranha. Em português, teríamos como equivalente a máxima: “a união faz a força”. 

Desde 2012, Tom Holland apoia a organização Anthony Nolan, que tem como missão salvar e melhorar a vida de pessoas que precisam de transplante de células-tronco ou de medula óssea em decorrência de acometimento por algum tipo de câncer hematológico (isto é, câncer originário das células sanguíneas). O ‘Anthony Nolan’ trabalha auxiliando nas combinações entre indivíduos compatíveis para transplante, incentivando doações, dando apoio e informação aos pacientes e promovendo pesquisas acerca da relação entre células-tronco e transplantes com o objetivo de aprimorar as técnicas de tratamento disponíveis atualmente a nível mundial.

Além disso, é do conhecimento da maioria que acompanha o Tom que ele adora crianças e tem o costume de realizar visitas a hospitais pediátricos para levar um pouco de luz e alegria a quem tanto precisa (tendo, inclusive, visitado uma das unidades da AACD em São Paulo durante visita ao Brasil para promover ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’). Sendo assim, aproveitamos também para apresentar aqui o GRAACC – Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer, “instituição sem fins lucrativos, criada para garantir a crianças e adolescentes com câncer, dentro do mais avançado padrão científico, o direito de alcançar todas as chances de cura com qualidade de vida”. O GRAACC atua com o atendimento e suporte clínico, para diagnóstico e tratamento, e com o desenvolvimento de pesquisas e ensino. O hospital-sede é mantido em parte pelo SUS e em parte pelos pacientes particulares, mas majoritariamente pelas arrecadações através de doações e campanhas.

Inspirados por tudo isso, desenvolvemos e apostamos no ‘United We Stand’ para fazer a nossa parte como amigos da vizinhança e heróis da vida real em potencial!

O projeto, inicialmente, ficará ativo do dia 1 de Junho, data de aniversário do Tom, ao dia 28 de Agosto, quando é comemorado o Dia Nacional do Voluntariado, de 2017. Desse modo, a época de estreia e exibição de ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’ corresponderá também ao período de atividade do projeto, de modo que poderemos não só ver um de nossos super-heróis preferidos nos cinemas, mas também nos inspirarmos a agirmos em prol do desenvolvimento de empatia, e da expansão da solidariedade e do cuidado com o próximo em nossa sociedade.

Escolhemos realizar a arrecadação pela Vaquinha Online, de modo que, ao fim do prazo estipulado, faremos a doação através de depósito bancário ao GRAACC no valor integral do montante arrecadado.

Para a escolha da Meta a ser arrecada, nos baseamos no seguinte pensamento: O Tom Holland Brasil iniciou suas atividades no Twitter e, ainda hoje, esta é nossa maior rede social, com o maior índice de atividades. Ao início deste projeto, temos cerca de 10.100 seguidores no Twitter. Se pelo menos 100 pessoas ajudarem com 15 reais (o que equivale a uma doação de 5 reais por mês, visto que o projeto ficará ativo em junho, julho e na maior parte de agosto), teremos 1.500 para doação. Partindo do pressuposto que temos seguidores diferentes no Facebook e no Instagram, por exemplo, e que mais que 100 pessoas, dentre milhares, podem entender a importância da ação solidária e se esforçar para contribuir na doação (seja com mais ou com menos que o valor comentado anteriormente de 15 reais), consideramos que 1.500 seja uma meta possível de atingirmos e um valor considerável para doação, fruto de um projeto promovido por um fansite e dependente do apoio da fanbase como um todo a ele.

Dito isso, contamos MUITO com a ajuda de vocês! E toda ajuda é bem-vinda: não só a doação monetária, mas também a divulgação. Vocês podem falar e tirar dúvidas com a gente pelo:

Email – tomhollandbrasil@gmail.com

Twitter – https://twitter.com/tomhollandbr/

Facebook – www.facebook.com/thollandbrasil/

Instagram – www.instagram.com/tomhollandbr/

 

Para ajudar é simples, visite a página da Vaquinha Online: clique aqui.

 

De acordo com a proposta do ‘Anthony Nolan’:

30.05.2017

Para Feige, sempre foi um sonho [Ter o Homem-Aranha no Universo Marvel] e agora, graças a um acordo com a atual chefe da Sony, Amy Pascal, eles introduziram o Aranha em Capitão América: Guerra Civil antes de dar um filme solo para ele. O primeiro desafio foi fazer ele ser aceito pelo público, pois não é apenas o sexto filme do Spidey em 15 anos (e o terceiro reboot), mas o 16º filme da Marvel, desde 2008. Para ajudar a alcançar esse objetivo, Feige escolheu o ator britânico de 20 anos, Tom Holland, cuja participação em Guerra Civil felizmente impressionou o público, mas também teve que encontrar o seu caminho próprio. “Eles me disseram o que era o conceito central, era simples“, disse Watts [diretor do filme]. “Bem, eu estava escrevendo um roteiro de um filme sobre a passagem para a vida adulta, assim, eu estava assistindo a inúmeros filmes para me preparar para isso: Todd Solondz, John Hugues e Cameron Crowe. Eu compreendia bem a língua que eles estavam falando“.

Ao longo das próximas reuniões, apresentaram animações caseiras do Homem-Aranha para o diretor, por exemplo, uma em que o Peter perguntava se o sentido aranha podia detectar o perigo. Outra em que ele estava filmando e tinha apenas uma sensação estranha, porque a garota que ele gostava tinha acabado de parar por ele. Também mostraram um “curta de humor” no qual mostraram cenas dos filmes da Marvel com cenas de filmes de colegial (“Nick Fury gritava com você, como se tivesse adormecido na sala de aula”). Impressionado com sua criatividade, Marvel deu a Watts a obra que provavelmente outros mais experientes teriam.

Quando a EMPIRE se reuniu pela primeira vez com Watts, no Queens, em Setembro de 2016, sobre a chuva que cobria Nova York em uma plataforma elevada da Street Station 75, nós queríamos saber se ele se preocupava em star gravando algo de um personagem tão familiar. Não era apenas um reboot do reboot?

Se houve algum sentido diferente, bem, imediatamente desapareceu quando eu comecei a falar com a equipe técnica da Marvel o que eles tinham em mente. Lembro de terem virado para mim em um certo momento e perguntado, “Meu Deus, o que vamos fazer?”. Há muitas possibilidades quando você diz “eu não vou contar a história de origem: eu vou contar uma história onde ele já está localizado naquele universo [Universo Marvel]. E quando eu disse para apresentarem o Peter em Guerra Civil e fazer o Tony Stark puxar o Peter para o lado dele, pois, o Peter Parker aos 8 anos provavelmente viu o Tony Stark dizer “Eu sou o Homem de Ferro“, eu pensei “claro que o Peter iria aceitar. Esse será um Homem-Aranha completamente diferente do que todos já viram. E vai ser o mais próximo do espírito do Aranha mostrado no primeiro filme. Não é um reboot, é um retorno para o lugar da onde ele pertence“.

Então é daí que vem o título do filme?

Sim [Risos]. Oh, fizemos isso de propósito?

O que marca a ‘Volta ao Lar’ do Homem-Aranha?

É o universo dos quadrinhos da Marvel. Pela primeira vez iremos ver o ambiente em que ele está inserido nos quadrinhos. Mas não é apenas sobre a emoção que o Tom Holland compartilha com o Robert Downey Jr., mas o contexto em que o Homem-Aranha se faz diferente dos outros heróis.

Uma grande coisa  que os criadores, Steve e Stan, nos disseram foi: “Nós criamos este mundo cheio de heróis. Não seria divertido ter um cara que era tão forte e poderoso e nobre como qualquer deles, mas de uma maneira que ele tinha que fazer sua lição de casa? Você já tem um pouco do Homem-Aranha nos outros filmes, mas você nunca viu um tão jovem como o nosso“, disse Feige.

Em ‘De Volta ao Lar’, Peter estã em seu segundo ano do ensino médio no colégio Midtown que é destaque em ciência e matemática. Ele adquiriu seus poderes há menos de um ano e desta vez está determinado em impressionar a primeira garota que ele gosta, Liz Allan (Laura Harrier), que ocasionalmente, foi um de seus interesses amoros nos quadrinhos. Participa de centros acadêmicos e tenta impressionar seu novo mentor, Tony Stark. “Eu quase sinto que ele está fazendo um teste para ser um Vingador”, disse Tom Holland. “Mas às vezes ele faz apenas o que está errado“.

Watts comentou sobre a ação do filme. Ele descreveu como “andar no térreo” do Universo Cinematográfico da Marvel. “Lembro que amei o que fizeram em Guardiões da Galáxia“, explicou o diretor. “Eu sempre me perguntei sobre a vida cotidiana, eu olho para esses grandes filmes e entendo o que os super-heróis estão fazendo, mas como é a vida para essas pessoas fora desse lado de ser um herói? ‘De Volta ao Lar’ se tornou a oportunidade de fazer isso. Não apenas mostrar um garoto normal como Peter e seus amigos, mas também do vilão Adrian Toomes, mais conhecido como Abutre. [que não foi utilizado nos filmes anteriores]. Vejo Toomes como, ‘um cara qualquer que se torna um verdadeiro vilão’. Acontece que, ele tem um trabalho normal, que é fazer basicamente limpar a bagunça dos heróis. Primeiro, encontraremos Adrian como funcionário em Nova York após os eventos do primeiro filme dos Vingadores… só que ele rouba tecnologia alienígena para uma organização chamada de Damage Control, pois ele tinha dívidas enormes. Isso coloca ele em uma situação muito desesperadora, então, com ajuda de sua equipe e de um personagem chamado de Consertador, começam a roubar Chitauri, uma tecnologia exótica e outras tecnologias do Stark para vender no mercado negro“.

Este conceito sobre o personagem caiu bem em Michael Keaton quando foi dito para Marvel que iriamos abordar o Abutre no filme. “É uma visão interessante sobre um vilão. Adrian Toomes tem um argumento bastante convincente, que é: ‘todos têm feito as suas ações e eles estão em um posicionação que os fazem predadores. Bom, pois eu fui um trabalhor toda a minha vida, então quanto a mim? Isso me deu um bom lugar para iniciar o meu desenvolvimento“.

Keaton tem ótimas experiência, interpreou o Batman e Birdman, agora o Abutre.

Em Outubro a EMPIRE foi convidada para conhecer Tom Holland e vê-lo em cena enquanto gravava algumas cenas de ação para o filme. Watts gritou ação e Holland andou casualmente em direção a um muro, longe das calçadas do campus do colégio Midtown, deu uma olhada furtiva em seus ombros e em seguida saltou com braços e pernas levantadas e caiu do outro lado do destino. Ele fez isso sem a necessidade de um dublê. No filme, teremos três grandes momentos de ação: um aluta no Monumento de Washington, uma batalha do lado de fora de um jato em Nova York e a tentativa de resgate dramática envolvendo um balsa de Staten Island.

Tom Holland falou em seu último dia de filmagens como estava exausto: “Tudo isso me deixou no chão. A coisa mais difícil era saltar de inúmeros lugares em posição do Spidey. Meu joelho direito ta acabado e precisando de um longo descanso“.

No começo do mês, a EMPIRE entrevistou Tom Holland e Laura Harrier na Cidade do México enquanto os atores divulgavam ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’.

Foi um desafio se manter na linha de Kirsten Dunst e Emma Stones como Mary Jane e Gwen Stacy respectivamente?

Laura: ambas são atrizes que eu respeito muito, sabe? Admiro muito elas e acho que elas tem feito coisas super importantes com suas próprias carreiras, mas eu não sinto qualquer pressão sobre minha personagem. Eles interpretaram Mary e Gwen, e agora eu sou a Liz e não sei o que o público espera. Porque não tem uma versão anterior no cinema dessas personagens para se comparar. É uma pessoa completamente nova.

No Teatro você foi o Billy Elliot e logo sua família tomou um tsunami; Na terra você se tornou o Homem-Aranha. Que tipo de viagem de trouxe até aqui?

Tom: Uma bem divertida. Eu realmente estou muito feliz, tenho estado no lugar certo e no momento certo. Em cada oportunidade minha eu pude aprender muito. Sendo bem honesto: eu sinto que cada trabalho que fiz foi um passo que me trouxe até aqui, eu sou muito granto a meu trabalho duro, mas também tive um pouco de sorte em conseguir este papel. Isso envolveu uma grande equipe de pessoas que se importam comigo, se certificando que estou bem e qu eo filme será tão bom quanto ele promete ser.

Kirsten Dunst ou Emma Stone? Escolha apenas uma.

Laura: Não é justo. Bem, ambas são incríveis, realmente elas são, mas para falar a verdade, eu amei Emma Stone em La La Land, então eu tenho que escolher ela.

Tobey Maguire ou Andrew Garfield?

Tom: eu gosto do Tobey por inúmeros motivos e o modo que ele viveu seu personagem em Homem-Aranha. Andrew é um ator fantástico; Na verdade eu acho que assisti quatro vezes ‘The Amazing Spider-Man’ no cinema, então, eu escolho o Andrew.

O que você pensa sobre os dois últimos Spidey serem ingleses?

Tom: Eu acho que é algo muito legal, não é só sermos britânicos, nós vivemos 20 minutos um do outro.

Qual parte em ser modelo te ajudou a ser Liz Allan?

Laura: Nenhuma.

E como é a Liz, Laura?

Laura: Eu acho que a Liz tende a pensar muito nas coisas. Que ela sabe o que quer na vida, claro, mas talvez ela precise ser melhor e mais flexível em termos de como vai acessar esse caminho. Você deve aprender a caminhar e se esquivar de certas coisas.

E como seu trabalho como dançarinho te ajudou a trazer o seu Homem-Aranha? Isso ajudou a dar um caráter especial?

Tom: sim, claro. Quero dizer, eu acho que esta versão do Homem-Aranha, fisicamente, está completa. Ele é jovem, divertido, e com um bom físico, e sim, eu acho que estou bem. Eu gosto de pensar que sou ele, que há um monte de Tom Holland no Peter Parker.

Gostavam de quadrinhos antes de serem escalados para seus personagens?

Tom: Sim, eu amo… Embora eu não ter lido alguns antes, como eu fiz quando cai de amor ao personagem. estou chatado comigo por ter feito leituras antes.

Laura: eu li inúmeros quadrinhos do Archie quando criança.

O que você acha da nova série, Riverdale?

Laura: Eu ainda não vi, mas eu sei que devo ver, e eu vou.

O que pode nos falar sobre trabalhar com pessoas como Michael Keaton, Robert Downey Jr. e Marisa Tomei?

Tom: quer saber? Eu trabalhei muito e muito intimamente com Marisa Tomei, ela é minha tia no filme. Nos tornamos ótimos amigos. Ela é a pessoa que eu vou atrás para pedir conselhos quando me relaciono as garotas. Eu estava com uma em Londres durante as filmagens do filme e sempre que eu tinha alguma dúvida eu chamava Marisa para me aconselhar. Era como uma tia de verdade, mas também uma amiga muito boa. Adoro ela e foi incrível poder ter trabalho junto com ela.

Laura: Eu só tive cenas com o Michael Keaton e foi incrível. Ele é obviamente um grande ator. Eu cresci vendo ele como Batman. Ele é o Batman. Foi incrível trabalhar com ele como ator; meus pais eram obssecados nele também.

O que você acha do enorme sucesso de super-heróis e o universo que vocês stão ligados? Há tanto o que conhecer e trabalhar com cada vez mais heróis..

Tom: é uma coisa fantástica, Kevin tem reforçado isso, quero dizer, eu lembro de ter visto Homem de Ferro 1 e 2, Thor 1 e 2 e depois o primeiro filme dos Vingadores e só então me perguntar: “isso quer dizer que todos eles vivem no mesmo universo?”. Eu estava enlouquecido e agora eu faço parte desse universo, que é mais louco ainda. Isso só faz com que esses filmes sejam mais emocionantes porque é como se fosse um programa de TV gigante onde cada filme é um novo episódio e por isso eu estou tão feliz por ter o Homem de Ferro em nosso filme, ele é um monstro e todos amam ele. Imagina o que é para você ver as sequências onde tem o apoio do Homem de Ferro.

O que pode dizer do Universo da DC? Quem vocÊ gostaria de ver fazendo um crossover com a Marvel?

Tom: isso nunca vai acontecer. Mas é emocionante ver o que a DC está fazendo, estou muito animado para o filme da Mulher Maravilha. Tenho certeza que será muito divertido. Além disso, eu sei ao lado da Gal Gadot na premiação da MTV e desde então eu tenho pensado na Mulher Maravilha.

Porque você acha que nunca vai acontecer?

Tom: porque o universo da Marvel já está longe demais. Se estivesses no começo também, seria diferente. Seria bom acontecer no futuro. Eu iria adorar, mas eu não acho que isso vai acontecer tão em breve.

O que vem por aí para você?

Laura: Não sei, quero dizer, eu estou lendo um monte de roteiros. Eu gostaria de fazer algo diferente do Homem-Aranha. Ainda estou verificando.

E no filme, você sobrevive até o final? Será que pode nos dizer isso?

Laura: [Risos] Claro, Liz não morre.

Há mais filmes para você?

Tom: Você vai ter que esperar para ver.

O que tem por aí então?

Tom: ainda não sei, creio que irei voltar para as gravações em janeiro. Eu tenho alguns filmes independentes também. Quero fazer coisas diferentes do Homem-Aranha.

P.S.: A entrevista foi feita em 2016, e Tom se referia a ‘The Current War’ que foi gravado em janeiro de 2017.

Você conheceu o Stan Lee?
Laura: Ainda não, mas irei conhecer ele aqui no México, amanhã!

Fonte: EMPIRE | Tradução & Adptação: THBR

29.05.2017

A edição de junho da revista americana Starburst trouxe uma matéria sobre o novo filme do Homem-Aranha. A revista abordou de maneira geral o que podemos esperar do mais novo filme, trazendo comentários e explicações de diretores e produtores da longa. Confira as scans e tradução:

REVISTAS E JORNAIS • SCANS > 2017 > STARBURST ISSUE #487 – JUNHO

Starburst_THBR_Junho_28229.jpg
Starburst_THBR_Junho_28329.jpg
Starburst_THBR_Junho_28429.jpg
Starburst_THBR_Junho_28529.jpg

 

(mais…)

29.05.2017

No século XIX e no início do século XX, havia um costume entre os exploradores de descobrir lugares nunca antes vistos. Os grandes descobrimentos arqueológicos daqueles tempos, como as tumbas faraônicas do Egito e a cidade perdida de Machu Picchu, fizeram com que o Coronel Percy Fawcett embarcasse em várias expedições também em busca do desconhecido.

Nascido em Devon, na Inglaterra, em 1867, Fawcett era um aventureiro conhecido pelo destemor e pela resistência física. Criado no auge do Império Britânico, aquele sobre o qual o sol nunca se punha, canalizou seu caráter forte e arrogante a serviço da conquista de territórios para a Rainha. Em 1886, entrou para a Royal Artillery e acabou escalado para trabalhar no Ceilão (atual Sri Lanka), onde conheceu a sua esposa. Depois, trabalhou como agente secreto britânico na África Meridional, Malta, Hong Kong, Marrocos e Irlanda. Foi justamente durante sua viagem pela África que aprendeu técnicas de sobrevivência na selva, que lhe seriam úteis em suas expedições por terras brasileiras.

Fawcett esteve no Brasil pela primeira vez em 1906, numa viagem da Royal Geographical Society, organizada com a finalidade de mapear a Amazônia. Ele atravessou a selva, chegando a La Paz, na Bolívia, em junho desse mesmo ano. Depois desta, realizou mais sete expedições pelo Brasil entre 1906 e 1924. Durante esse período, fez contato com vários grupos indígenas, com os quais conheceu lendas e tradições, e usou sua habilidade de conquistar os povos que habitavam os locais explorados, dando-lhes presentes. Sua visão de mundo, centrada na suposta superioridade britânica, fez com que descrevesse os outros povos com uma série de preconceitos: sujos, ignorantes e atrasados – embora pudesse ter compaixão pelos índios e raiva dos europeus sem escrúpulos que buscavam a fortuna fácil. Essa crença na superioridade do homem europeu era baseada em uma teoria elaborada pelos filósofos naturais no século XVII, chamada ”Teoria da Cadeia do Ser”, em que os negros e os índios eram considerados quase humanos – seguindo a seguinte hierarquia: índios abaixo dos brancos e negros abaixo de todos – sendo vistos como ignorantes e incapazes de realizarem feitos que os europeus ocidentais tinham conseguido até então. Tais argumentos explicavam o motivo de ambos serem escravizados sob as políticas colonialistas das potências europeias durante toda a Era Moderna, e representaram uma arma de ataque de 1° linha contra os povos dominados por mais de um século.

Entre essas expedições, Fawcett retornou à Inglaterra para servir ao Exército britânico durante a Primeira Guerra Mundial, mas, logo após o fim da guerra, retornou ao Brasil para estudar a fauna e arqueologia local. Em 1912, deu de cara com um documento supostamente escrito por bandeirantes no século XVIII e traduzido para o inglês por outro aventureiro britânico, Richard Burton. Era a descrição de uma cidade de pedra abandonada no sertão baiano. Há quem diga que era uma cidade perdida construída pelos descendentes dos hipotéticos habitantes de Atlântida. O que o movia era a obsessão em encontrar a tal cidade perdida, que ele chamava de Z. Em 1925, convidou seu filho mais velho, Jack Fawcett, e um amigo de Jack, chamado Raleigh Rimmell, para acompanhá-lo em uma missão em busca da cidade perdida de Z. Eles, então, partiram para atravessar a região do Alto Xingu, e nunca mais voltaram.

Nas décadas seguintes ao desaparecimento, foram montadas várias expedições de resgate, sem qualquer sucesso. A verdade sobre o fim de Fawcett, Jack e Rimmel perdia-se no embaraço de versões contadas pelos índios. Fawcett tornara-se lenda, objeto de relatos míticos que se complementavam ou se contradiziam entre si. Houve quem sustentou que, muito anos depois de sumir sem deixar traço, Fawcett ainda estaria vivo, morando com os indígenas depois de ter se desiludido com a civilização ocidental da qual provinha. Outras pessoas acreditavam que ele teria sido assassinado por índios depois de algum desentendimento. Em versões diferentes, ele teria sido devorado por canibais.

Em 1952, Assis Chateaubriand, capo dos Diários Associados, resolveu promover a sua própria expedição. Na verdade, Chatô já acompanhava o caso Fawcett com interesse desde o desaparecimento do aventureiro. Em 1943, uma missionária relatou ter encontrado um índio de pele clara e olhos azuis, que seria filho de Jack Fawcett com uma índia. Chatô destacou seu repórter Edmar Morel, que foi ao Xingu e lá encontrou o índio Dulipé, apresentado aos leitores do Diário da Noite como “o deus branco do Xingu”. Dulipé foi levado à civilização, onde foi confirmado que ele não passava de um índio albino. Morreu anos depois em Cuiabá, consumido pelo álcool. O motivo da expedição de 1952 foi a notícia de que o sertanista Orlando Villas Boas tinha obtido dos índios calapalos a confissão de que tinham, de fato, assassinado Fawcett e seus companheiros em 1925. Admitiram o crime depois de se certificarem de que “os brancos não estavam mais brabos” com o sumiço de Fawcett.

Indicaram também o local onde o corpo fora enterrado, e lá uma ossada foi encontrada em cova rasa. Brian, o outro filho de Fawcett, veio da Inglaterra para acompanhar o desenrolar dos fatos. Chatô farejou uma grande história e reuniu um time de repórteres da revista O Cruzeiro para a cobertura.

Callado, que trabalhava no jornal Correio da Manhã, foi convidado para a missão. Levar um repórter do concorrente a tiracolo em uma cobertura sensacional: eis aí um fato inédito na história da imprensa brasileira, talvez mundial, e que só poderia ser fruto da cabeça heterodoxa de Chatô. A história terminou em fiasco. Submetidos a exames antropométricos, os ossos não puderam ser identificados como pertencentes a Fawcett. A arcada dentária não correspondia e a altura também não batia com os registros físicos que se tinham do expedicionário. Mesmo assim, Villas Boas manteve, até o fim da vida, a convicção de que aqueles ossos pertenciam ao aventureiro inglês.  O sertanista conservou o esqueleto em sua casa, debaixo da cama, por 18 anos, até que, pressionado por sua mulher, enviou-o ao Instituto Médico Legal da USP, onde espera por um teste de DNA que os remanescentes da família Fawcett se recusam a realizar. Permanece o mistério. E, portanto, continua o estímulo para boas histórias em torno do caso. Tudo é mito.

São muitos os boatos que atribuem ao explorador a inspiração do escritor Rob MacGregor para criar as aventuras de Indiana Jones, imortalizado no cinema por Steven Spielberg e na pele do ator Harrison Ford. O explorador também inspirou Sir Arthur Conan Doyle, o “pai” de Sherlock Homes, especialmente no livro ‘O Mundo Perdido’ e, mais recentemente, é retratado pelo ator Charlie Hunnam no filme ‘Z – A Cidade Perdida’.

Z – A Cidade Perdida, com Tom Holland, Charlie Hunnam, Robert Pattinson e Sienna Miller, estreia no Brasil no dia 1 de Junho de 2017, distribuído pela Imagem Filmes

Texto escrito por: Lucas, Graduando em História na UEM e membro da equipe do Tom Holland Brasil.

Referências:

» “E. Douglas Fawcett (1866–1960)”. Keverel Chess. 10 August 2011. Archived from the original on 3 April 2012. http://oaprendizverde.com.br/2010/11/11/grandes-misterios-o-desaparecimento-de-percy-fawcett/
» GOULD, Stephen Jay. A falsa medida do homem. São Paulo: Martins Fontes: 2003. In: Capítulo 2: A poligenia americana e a craniometria antes de Darwin – Negros e índios como espécies separadas e inferiores.
» MAUSO, Pablo Villarrubia. Conheça o Coronel Fawcett. Disponível em: <http://super.abril.com.br/historia/coronel-fawcett/>
» ORICCHIO, Luiz Fernando Zanin. O mistério do Coronel Fawcett. Disponível em: <http://cultura.estadao.com.br/blogs/luiz-zanin/o-segredo-do-coronel-fawcett/>
» RANGEL, Natália. Disponível em: <http://istoe.com.br/17115_A+SAGA+DO+CORONEL+FAWCETT/>
» SANTOS, Christian Fausto Moraes dos; CAMPOS, Rafael Dias da Silva . Apontamentos acerca da Cadeia do Ser e o lugar dos negros na filosofia natural na Europa setecentista. História, Ciências, Saúde-Manguinhos (Impresso), v. 21, p. 1-20, 2014. Acesso online em: http://tinyurl.com/lw3mayd
28.05.2017

Um modelo especial de chaveiro está disponível no site The Lunchbowl Network! Trata-se de um chaveiro de Aranha feito à mão que está à venda em prol da causa da organização ‘The Lunchbowl Network’, que promove atividades e alimentação para crianças órfãs que residem em Kibera, no Quênia.

Em 2016, Tom Holland participou de uma sessão especial de ‘Capitão América: Guerra Civil’ que arrecadou fundos para a causa, e agora volta a apoiá-la através da venda do chaveiro. A venda de cada unidade do objeto representa a garantia da alimentação de 10 crianças.

“Garanta seu chaveiro do Aranha de Tom Holland, de edição limitada. Tom já tem dele e você pode ter o seu também.”

Os preços variam dependendo do local de origem do pedido e incluem custos de envio, embalagem e pagamento on-line. Para o Brasil, o custo fica em torno dos R$ 19, 65. Para encomendar o seu e ajudar, clique aqui.

 

 

27.05.2017

Tom Holland tem medo de aranhas. Ele realmente tem muito, muito medo delas. “Eu odeio elas, são aterrorizantes”, confessou Tom Holland rindo. “Eu odeio 100% as aranhas, eu pensei que eu gostava delas, mas aprendi que isso não era verdade. Eu realmente não posso estar por perto de aranhas. Elas me assustam demais“.

Isso é um pouco engraçado, considerando que o ator e dançarino britânico é o novo Homem-Aranha, um estudante de honra que se torna um super-heróis quando é mordido por uma aranha radioativa. Após interpretar o amigão da vizinhança em Capitão América: Guerra Civil, Tom Holland irá retornar como Peter Parker em Homem-Aranha: De Volta ao Lar que estreia em julho.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Mas a aracnofobia do ator é ainda mais surpreendente, quando você considera que Holland, de 20 anos, colecionou mais e 20 trajes do personagem em homenagem ao seu personagem favorito. A razão pelo qual ele é um grande fã do Homem-Aranha é também um dos motivos que irá colocá-lo um pouco distante das interpretações de Tobey Maguire e Andrew Garfield. “Sou apenas um garoto [Se referindo ao Peter Parker] tentando fazer a coisa certa, mas que nem sempre se faz direito. A minha grande fala sobre esse filme é sobre ter a certeza de que o público vai ver o que aconteceria se um jovem de 15 anos recebesse super poderes“, comentou Tom. “Sempre que eu faço algo muito foda, algo estúpido acontece em seguir, eu nunca sou muito legal, basicamente sou o pior e melhor super-herói“.

Tom Holland é apenas um garoto que realmente ama o que faz. Isso inclui dança, ginástica e atuação. Ele participou de “Billy Elliot” (2008-2011) e em seguida de “O Impossível” (2012). Holland conversou com o editor chefe da revista CNET sobre o porque ele ama o personagem Homem-aranha, o traje do herói e muitas outras coisas. Confira:

 

Você cresceu sendo um grande fã do Homem-Aranha?

Quando criança, eu tive provavelmente 20 trajes diferentes do Homem-Aranha. Mas cerca de uns dois anos atrás eu fui a uma festa fantasia vestido de Homem-Aranha e quando cheguei lá descobri que não era uma festa fantasia de verdade e eu era o único fantasiado. Todo mundo achou que eu parecia um idiota completo, mas quem está rindo agora?

O que fez do Homem-Aranha um herói para você?

É sobre o Peter Parker ser muito normal, quero dizer, ele passa por algo que cada garoto vai passar: problemas com o dever de casa, falar com as garotas ou ter que lidar com responsabilidades que às vezes são difíceis de se lidar. E também, não ser o garoto popular. Muitas vezes eu acho que os super-heróis são os ricos e bilionários – e todos os amam [Peter Parker] por ser basicamente o oposto disso. Eu acho que é o que muitas crianças sentem ao crescerem com o personagem. É realmente bom saber que um super-heróis pode se sentir assim também.

Então você interpreta ele para as crianças?

Homem-Aranha é amado por uma enorme variedade de pessoas. eu acho que o verdadeiro público alvo são as pessoas menores de 16 anos, por eles estarem passando pelas mesmas coisas que o Peter. Então, minha grande coisa sobre este filme é ter certeza de que o público alvo comece a ver o que aconteceria se um garoto de 15 anos de idade recebesse poderes. Sempre que eu faço algo foda, outra coisa ruim acontece logo em seguida. Eu não sou popular e você sabe o que quero dizer. Eu sou basicamente o super-herói. Vocês muitas vezes veem as coisas de super-heróis como um estilo incrível e maravilhoso, mas Peter Parker é a versão menos legal de ser um super-heróis.

Vamos falar sobre o traje, Tony Stark que é interpretado pelo Robert Downey Jr., fez para você.

Acho que uma das coisas excitantes sobre o filme é o Peter não saber o que o traje esconde. Há muitas surpresas e há muitas coisas que acontecem sem ele pedir, o que se torna engraçado; Existe uma coisa muito engraçada no filme quando isso acontece. O traje é quase como o iPhone mais avançado do mundo, sabe? Ele pode fazer muitas coisas Ele ajuda a rastrear pessoas, ouvir conversas, saber sobre ameças e outras coisas. É apenas uma maneira muito, muito legal e divertida de se interagir com a tecnologia moderna em um super-heróis durante seu dia.

Quais super poderes você gostaria de ter na vida real?

Provavelmente a capacidade de voar ou viajar no tempo. Mas controlar o tempo é uma grande responsabilidade. Você pode estragar tudo e eu definitivamente seria a pessoa certa para fazer isso.

Você começou sua carreira dançando. Porque você quis dançar?

Comecei a dançar por causa da Janet Jackson. Eu realmente não lembro qual música era… mas quando eu era menor, uma de suas canções costumava me levar para um mundo da dança. Minha mãe pensou que eu tinha um ritmo natural, então ela me disse “você deveria ir a uma aula de dança”. Eu costumava ir todos os sábados ao YMCA, que era uma espécie de dança para crianças. E tudo começou a partir daí.

Se você pudesse dançar com qualquer pessoa, com quem seria?

Michael Jackson. Cem por cento. Ele inventou seu próprio estilo e dançar é uma daquelas coisas onde você pode tomar estilos diferentes e acabar criando coisas novas. Ele inventou um novo estilo e, para mim, isso é tão legal e foda. Eu adoro isso.

Você dirigiu um curta e agora se quisesse fazer um filme em função dos próximos 5 anos, qual seria seu método de direção?

Eu amo todo o processo de fazer filmes como ator, tanto que eu iria adorar poder dirigir um filme. Eu acho que sempre tive um monte de idéias e poderia trazer muito para a mesa. Gostaria de apenas estar envolvido em um filme de um ponto de vista anterior – começando na produção e se movendo para a direção, ou dirigindo e depois indo para produção. Eu realmente gostaria de aprender mais sobre a indústria que eu trabalho, e acho que a melhor maneira disso é fazendo filmes, em vez de apenas estar neles.

Algum gênero em particular?

Eu tenho alguma ideias para pequenos filmes que eu gostaria de fazer. Terror e outras coisas, mas eu estou aberto a qualquer coisa, realmente. Terror, na verdade, seria uma última opção de fazer, porque eu sou muito medroso. Eu provavelmente me assustaria com qualquer coisa [risos]. Mas de outras coisas, eu realmente estou disposto.

Você cresceu com tecnologia? Você é um fã de tecnologia?

Sim, gosto de me considerar um fã de tecnologia. Isso não quer dizer que eu sou técnico, ou algo assim. Meu irmão, Harry, é quem eu acho quando tenho algum problema. Mas eu gosto de me considerar tecnológico.

Você compra muita tecnologia?

Smart TVs são ótimas. VR também. Eu realmente adoro um gadget, tipo, sempre que a Apple anuncia algo nome eu começo, “Meu Deus, eu preciso de um”.

Que tipo de tecnologia você gostaria que inventassem para você?

Uma máquina de teletransporte. Se teletransportar seria a melhor coisa porque eu moro em aviões praticamente. Seria muito útil poder se teletransportar para qualquer lugar.

 

Fonte | Tradução e Adaptação: THBR

24.05.2017

Foi divulgado durante a madrugada de hoje, 24, os três últimos trailers de Homem-Aranha: De Volta ao Lar, primeiro filme do Homem-Aranha inserido no Universo Cinematográfico da Marvel. Assista:

 

SCREENCAPTURES > SPIDER-MAN: HOMECOMING | INTERNACIONAL TRAILER #3

THBR_28929~3.jpg
THBR_281029~3.jpg
THBR_281129~2.jpg

THBR_281229~3.jpg

 

SCREENCAPTURES > SPIDER-MAN: HOMECOMING |TRAILER #3

THBR_285129.jpg
THBR_285229.jpg
THBR_285329.jpg

THBR_285429.jpg

 

Para finalizar a sequência de trailers, Tom divulgou uma terceira versão do trailer final em seu Instagram:

Next mission: figuring out how all the web shooter combinations work. #SpiderManHomecoming – in theaters July 7. I'm so pumped

A post shared by ✌️ (@tomholland2013) on

Também foi divulgado dois novos pôsteres oficiais do filme:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Homem-Aranha: De Volta ao Lar estreia dia 6 de Julho.